Olhar bíblico

O que é o Dispensacionalismo?

dispensacionalismo

O dispensacionalismo é um sistema teológico que apresenta uma interpretação literal das Escrituras, em particular da profecia bíblica. Ele faz distinção entre Israel e a Igreja de Cristo. Os Dispensacionalistas sustentam que seu princípio hermenêutico é o da interpretação literal. “Interpretação Literal” significa dar a cada palavra o significado que regularmente teria no uso habitual.

Símbolos e figuras de linguagem, neste método, são todos interpretados de forma simples e óbvia, e de forma alguma se opõem à interpretação literal. Mesmo os simbolismos e falas figurativas possuem em sua base significados literais.

Este sistema é aceito em uma grande parcela da Igreja mundial. Porém tem algumas falhas gritantes, como a que afirma que a Igreja é um povo escolhido de Deus e Israel é outro povo, onde na divisão dispensacionalista dos tempos, Deus vai tratar de forma diferente com Israel, assim que, segundo eles acabar a Era da Igreja.

Só nessa frase anterior temos disparidades tão grandes que o estudante da Bíblia pode ficar horrorizado com a distorção que se fez dos ensinos bíblicos. Até o século 19, essas doutrinas não existiam, como se lê facilmente nos documentos da Reforma Protestante.

Quando surgiu o dispensacionalismo?

Esta doutrina foi inicialmente elaborada por John Nelson Darby.  Darby foi um pregador extremamente popular entre os Irmãos de Plymouth e o fundador dos Irmãos Exclusivos. Ele é considerado o pai do moderno Dispensacionalismo.

A teologia do arrebatamento pré-tribulacional foi popularizada extensivamente na década de 1830 por John Nelson Darby e os Irmãos de Plymouth.

Mas foi com Cyrus Ingerson Scofield, ministro religioso e escritor do best-seller, Bíblia de Referência Scofield, que o dispensacionalismo se popularizou entre os fundamentalistas cristãos.

Criou-se então um nova doutrina, desconhecida de 18 séculos anteriores. O próprio Apocalipse alerta para não se acrescentar ou se retirar nenhuma porção da Bíblia.

As Cartas de Apocalipse

O dispensacionalismo enxerga, que as sete cartas de Apocalipse são sete eras históricas e que elas não dizem respeito a Apocalipse.

É estranho considerar que as cartas de Apocalipse são para a Igreja de todos os tempos, mas não são para os tempos que o livro de Apocalipse aponta.

Isso, por si só é extremamente controverso, pois se um assunto qualquer estiver em um livro da Bíblia, então o livro está tratando daquilo que é pertinente ao que se está falando.

Por exemplo, em 1 Corintios 14 fala sobre os dons da palavra e sobre o dom de línguas que deve vir obrigatoriamente com o dom da interpretação.

Com esta singular interpretação, o dispensacionalismo entende que a passagem de I Coríntios 14 não é para os tempos dos Coríntios.

Isto equivale a sustentar que é um  erro bíblico as Sete Cartas de Apocalipse estar dentro de Apocalipse. Isto é claramente um absurdo!

Dificuldade de interpretação

Realmente Apocalipse é um livro difícil de entendimento, principalmente porque foi inteiro escrito em forma de visões proféticas. João foi levado ao Céu e lá do Céu teve relevações da Terra. Se fosse o contrário nós compreenderíamos perfeitamente.

Se João estivesse na Terra tendo visões do Céu, nos seria dito fatos em forma humana, para compreendermos, como os que definem o Céu como tendo ruas de ouro e cristal – o que pode ser descrito assim só para o nosso entendimento mínimo do assunto.

Porém em Apocalipse o apóstolo João foi levado ao Céu e teve um entendimento (da ótica celestial) do que irá acontecer com a Terra. Apocalipse não é um livro que se decifra na carne, mas no Espírito.

Filhos a partir da Cruz

O dispensacionalismo, que é uma nova doutrina extra-biblica, difundida a partir do séc 19, portanto não autorizada pelo cânon da Igreja do século 1, quer no fazer crer que Deus tem dois povos: Israel e a Igreja e que hoje vivemos a Era da Igreja. Mas na Tribulação o mundo viverá a Era de Israel.

Nesta era, Deus vai tratar com Israel e no Céu teremos dois povos diferenciados vivendo lado a lado: Israel e a Igreja. Isso é antibíblico e anula a Cruz.

A simples leitura, mesmo superficial de Efésios 2, já nos comprova que essa ideia de dois povos é contrária à Bíblia e portanto espúria e herética.

Pois ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um e destruiu a barreira, o muro de inimizade, anulando em seu corpo a Lei dos mandamentos expressa em ordenanças.Clique para Twittar

O objetivo dele era criar em si mesmo, dos dois um novo homem, fazendo a paz, e reconciliar com Deus os dois em um só corpo, por meio da cruz, pela qual ele destruiu a inimizade.” Efésios 2.14-16

É tão revolucionário o que Paulo disse nesses dois versículos, que mesmo as pessoas lendo em suas Bíblias, podem não aceitar o que está escrito.

Reconciliação em Jesus

Ele (Jesus) é a nossa paz, que de ambos (os gentios – que são todos os povos do mundo – e Israel) destruiu a barreira, o muro de inimizade, anulando em seu corpo (o Corpo de Cristo segundo Efésios 1 e 1 Coríntios 12, é a Igreja).

A Lei dos Mandamentos expressa em ordenanças (está anulado as Leis do Antigo Testamento e vigoram agora as Leis do Novo Testamento).

O objetivo dele (Jesus) era criar em si (ou a partir de si), dos dois (os gentios e Israel) um novo homem (ou uma nova natureza, não sujeita à carne, às leis do pecado), fazendo a paz (reconciliação).

Reconciliando com Deus os dois em um só corpo (a Igreja), por meio da cruz, pela qual ele destruiu a inimizade (ou as diferenças entre o povo escolhido no Antigo Testamento: Israel e os outros povos: os gentios).

O dispensacionalismo anula a cruz

Vê, dois versículos apenas são suficientes para derrubar toda a doutrina dispensacionalista. Não existe na Bíblia essa ideia de dois ou mais povos depois da cruz, na lista de salvos, só existirá um: A Igreja.

O dispensacionalismo anula a cruz, sendo que Cristo veio para unir todos os povos agora em um só. A cruz, finda com a divisão de um povo separado por Deus, afirmando agora que todos são chamados. A cruz une os povos e qualquer divisão depois da cruz, anula a cruz.

evangelhos

O dispensacionalismo é uma doutrina maligna que grosseiramente anula a Cruz de Cristo. Anulando a cruz de Cristo, anula a Igreja. A Igreja perde o sentido de ser unificadora dos povos. A cruz e a Igreja, e portanto a obra de Cristo, são todos anulados no dispensacionalismo.

O dispensacionalismo foi um aprimoramento do erro, pois agora tem, não dois povos para lidar, mas três: os gentios, Israel e a Igreja.

Quando começam a explicar a sua doutrina, em algum momento os gentios são relevantes, como se simplesmente não fossem mais importantes.

Milhões de pessoas, de repente não são mais importantes e não entram em lugar algum mais em nenhuma solução de salvação. O dispensacionalismo não sabe lidar com a salvação corretamente e abandona a humanidade não salva ao léu.

Se o cara não é Israel, ou não é Igreja, está literalmente perdido, segundo o dispensacionalismo. O dispensacionalismo é uma doutrina grosseira, herética e antibíblica.

A operação do erro

Creio que o Teólogo hoje tem dupla função: ensinar a Teologia, mas também rebater as heresias que confrontam o cristianismo. Essas verdades que estou expondo a você e que são muito claras, estando escritas em todas a Bíblias de todos no mundo inteiro, mesmo sendo explicadas e comprovadas, ainda assim não são aceitas por todos.

A Bíblia afirma que existe uma coisa chamada Operação do Erro. Segundo a NVI, a operação do erro como um poder sedutor (2 Tessalonicenses 2.1-12).

É uma cegueira das verdades da Bíblia, para que alguns não sejam salvos. Nós os que não estamos cegos devemos agradecer a Deus, que nos abriu o entendimento para os ensinos reais da Bíblia, assim como devemos orar pelos outros, para que sejam abertos os seus olhos também.

A Operação do Erro é tão clara, que seguimentos inteiros de Igrejas abraçam erros grosseiros, não bíblicos, como se fossem a verdade revelada da Bíblia.

Fica, mais uma vez então, comprovado que o dispensacionalismo é uma doutrina não bíblica, portanto uma heresia. Sendo assim, os ensinos do dispensacionalismo, todos eles, até mesmo a volta de Cristo pré-tribulacional, estão errados. Dizer que as Cartas para a Igreja de Apocalipse não são para Apocalipse, é no mínimo é estranho.

Dizer que o Espírito Santo será retirado da Terra, ou que não haverá salvação em Apocalipse, é contrário à Bíblia. Qualquer pessoa que ler Apocalipse verá a palavra salvação escrita ali mais de uma vez.

E se houver salvação em Apocalipse estará vigorando o Espírito salvando e transformando a todos em Igreja.

A verdade da cruz

O que precisamos definitivamente entender é que Deus tinha em seus planos, Jesus. Deus sabia que criando a humanidade essa iria pecar. Ele já havia previsto esta situação ecriado uma maneira de salvar toda a humanidade, unindo-a em Jesus.

Deus deu Leis e Mandamentos a Israel no Antigo Testamento, para que ele pudesse ter condições mínimas de santidade para gerar O Santo: Jesus.

Vindo Jesus, Ele uniria os povos gentios e Israel, anulando as Leis, os Mandamentos, as Ordenanças, que seriam para trazer o Filho à existência.

O Filho estando entre nós, o Plano traçado originalmente antes dos tempos pela Trindade agora vigoraria. A partir da Cruz, todos serão um novo homem, uma nova raça, um novo povo. Em Cristo, o futuro da humanidade. Glórias a Deus!

E mesmo que alguns queiram negar, saudosistas do tempos de glória de Israel, se esse povo, assim como todos os povos, não se resolver com a cruz, não poderá ser salvo. Ninguém será salvo fora da cruz. Os gentios e Israel, a partir do sacrifício de Jesus na cruz, são transformados em Igreja.

A salvação está na Igreja, em ser Igreja, em ser o Corpo de Cristo, que é a Igreja. Essa ideia de um povo diferenciado é falta de compreensão que Israel iria gerar Jesus. Deus poderia, se quisesse, levantar Jesus de qualquer povo, pois todos os povos tem origem em Adão e Eva.

Temas Relacionado:

As barreiras de inimizade que foram criadas, foram criadas por nós e não por Deus. E quando Israel tiver seus olhos abertos e entender que Jesus é o Messias,  haverá a iluminação do Espírito Santo. Ninguém é salvo de outra forma.

Dizer, também, que Israel será salvo, sem ser Igreja, é uma falta de compreensão tão grande da obra de Cristo, que beira à insensatez. Cuidado, com qualquer doutrina, que anule a cruz. Mesmo essa doutrina sendo simpática e aceita pelo mundo todo.

Eu não sei você, mas eu sou Igreja e em mim, a Igreja de Jesus, todos os povos são um. Na cruz todos somos filhos de Deus, por iguais. O único Filho diferenciado é Jesus, o primogênito dos irmãos. Amém!

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

vida de abraão
07 Fases da vida de Abraão

Fechar