Você está em HomeLivros da BíbliaIntrodução ao Evangelho de Mateus
Livros da Bíblia

Introdução ao Evangelho de Mateus

Evangelho de Mateus

O Evangelho de Mateus é o que dedicou maior espaço aos ensinamentos de Jesus. A tradição cristã o considerou como o Evangelho Eclesial, aquele a partir do qual se elaborou a doutrina da Igreja. Mateus é o evangelho mais valorizado em toda a tradição da Igreja e tem sido objeto de numerosos estudos e comentários.

A maneira que Mateus elaborou o seu Evangelho é atrativo. A composição didática impressiona. Há, de certa maneira, um quadro da cristologia das comunidades primitivas.

Em Mateus encontramos cinco grandes discursos de Jesus, veja no Infográfico a seguir.

Evangelho de Mateus

Estas cinco unidades de discurso demonstram como Jesus vive com os seus discípulos sobre os quais vai construir a comunidade do Reino.

As unidades são compostas com o objetivo de ajudar os crentes a aprendê-las de memória. Os cinco grandes discursos de Jesus distribuem a doutrina conforme os progressos da formação da sua comunidade.

Como Marcos, o evangelho de Mateus contará, numa primeira parte, o anúncio que Jesus faz do Reino de Deus, através de seus ensinamentos, curas e seus milagres, com a preparação longínqua da Igreja.

Numa segunda parte, o evangelista mostra a maneira como o Mestre, caminhando para a sua paixão, reúne seus discípulos a fim de constituir a comunidade, testemunha do Reino em gênese.

O esboço sugerido pela Bíblia de Estudo Almeida – Revista e Atualizada ajuda a perceber esse processo:

Evangelho de Mateus
Infográfico: Esboço do Evangelho de Mateus pela Bíblia de Estudo Almeida

Mateus, como fonte, desconcerta o leitor contemporâneo. Os princípios de composição e modos de interpretação remontam as correntes do judaísmo do século I. Já o seu alcance, e por vezes o sentido, escapam à mentalidade moderna.

Autoria do Evangelho de Mateus

A teologia tradicional identificou o evangelista Mateus com o apóstolo Levi de quem fala o evangelho. O nome de Mateus, que significa “Dom de Deus”.

A crítica moderna é quase unânime em negar o apóstolo Mateus como o autor do evangelho que leva o seu nome. Segundo a opinião mais comum hoje, a autoria do evangelho de Mateus pertence a um “judeu-cristão” da segunda geração que escreve por volta do ano 80, em meio a uma comunidade da Síria, envolvida em um confronto com o judaísmo.

Linguagem de Mateus

A linguagem utilizada por Mateus facilita à memorização. Ela contém uma estrutura sólida e claramente compreensível com uma diretriz ética e moral.

Os seus discursos são montagens literárias inspiradas nos processos rabínicos de composição: formas repetidas, paralelismos antitéticos ou sinonímicos, e que foram bem conservados por Mateus. Provém do ensinamento oral praticado pelos rabinos. O grego utilizado por Mateus é bem melhor do que o de Marcos.

Com respeito ao tempo de composição do evangelho de Mateus, não é possível fixar com exatidão. Muitos pensam que o evangelho foi escrito em terras da Síria, talvez em Antioquia, depois que os exércitos romanos destruíram Jerusalém no ano 70. Provavelmente entre os anos 70 e 80 d.C.

Destinatário do Evangelho de Mateus

Sobre o destinatário do Evangelho de Mateus há certo consenso entre os estudiosos. Trata-se de uma comunidade em Antioquia, na Síria (At 11,19-26; 13,1), capital da província romana, terceira cidade do Império, depois de Roma e Alexandria.

A comunidade de Antioquia formada em grande parte por judeus da diáspora com uma minoria de pagãos convertidos, é mais aberta na interpretação das Escrituras, na aplicação da Lei, no relacionamento com os pagãos do que a Igreja de Jerusalém, conservadora e ligada à tradição.

São muitas afinidades entre Mateus e Marcos quanto às partes narrativas. Há 178 passagens em comum. Mas há também mais ou menos 300 passagens próprias do evangelho de Mateus.

Continuidade da missão de Jesus

A missão em Mateus é bem desenvolvida (10.5-42). Mateus apresenta recomendações importantes já ai servindo como treino para o IDE, que é a pregação em todo o mundo a todas as nações. E quando todas as nações souberem o mínimo possível para entender a Jesus, ele então voltará.

Em Mateus a obra missionária a ser realizada consiste em prolongar a ação de Jesus (10,1; 9,35): ir ao encontro “das ovelhas perdidas da casa de Israel”.

Para eles, “seguir” Jesus quer dizer estar pronto a entregar a vida para que se estabeleça o Reino, confiando naquele que envia e que se identifica com seu enviado (10,24-25,40). Dentre outras lições, a de ir de dois em dois, no mínimo, é muito prática.

Parábolas de Mateus

O discurso das parábolas utiliza-se de um gênero literário frequente nos livros históricos das Escrituras, como nos dos profetas e nos escritos da Sabedoria.

A parábola consiste em explicar, ou antes, em fazer descobrir uma verdade profunda, uma realidade espiritual, por meio de comparações figuradas que o espírito apreende.

Escatologia de Mateus

A Escatologia é o ensino sobre as ultimas coisas que devem acontecer. O discurso sobre a vinda do Filho do homem (Mateus 24) é muitas vezes designado como discurso escatológico, porque oferece uma perspectiva definitiva sobre o compromisso do cristão com o que Mateus chama de “parusia”, isto é, o último “evento” do Filho do homem na história humana.

Em Mateus ele toma a forma de um discurso sobre a vigilância. As visões escatológicas existiam na literatura do Antigo Testamento, nos profetas, especialmente em Daniel.

Paralelismo de Mateus

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Em Mateus encontra-se uma figura de linguagem chamada paralelismo, que consiste no cruzamento das palavras de uma frase. Por exemplo, Mt 16,25: “Aquele que quiser salvar sua vida (A), perdê-la-á (B), ou aquele que perder sua vida (B) por causa de mim, vai encontrá-la (A)”.

Leia mais:
abraão
Sete lições da vida de Abraão

Fechar