Vida Crista

O comércio na igreja e um tal de Chopis Centis

comércio na igreja
Mas em São Paulo, Deus é uma nota de cem – Racionais Mcs

Acompanhe comigo um assunto que tem deixado muita gente aborrecida, o comércio na igreja. Há quem o defenda e há quem o recrimine. Há ainda um terceiro grupo que o admite em algumas circunstâncias. Lembro-me de uma canção do Mamonas Assassinas em que um nordestino ao iniciar o namoro com uma moça a leva no Shopping Center, não sabendo o pronunciar bem dizia “Chopis Centis”.

O cabra não era bobo, levou a moça em um lugar onde havia toda a comodidade, tudo próximo. Hoje, há igrejas que devido ao comércio desenvolvido no interior delas tem se convertido num imenso “Chopis Centis”. Antes de prosseguirmos gostaria que lesse a passagem de João 2. 14-16:

“No pátio do templo viu alguns vendendo bois, ovelhas e pombas, e outros assentados diante de mesas, trocando dinheiro. Então ele fez um chicote de cordas e expulsou todos do templo, bem como as ovelhas e os bois; espalhou as moedas dos cambistas e virou as suas mesas. Aos que vendiam pombas disse: “Tirem estas coisas daqui! Parem de fazer da casa de meu Pai um mercado!”

Traduzindo para uma linguagem mais moderna ficaria mais ou menos assim: “Entrando Jesus no Templo viu a Feirinha da Madrugada, havia até quem vendia lenços, meias e cuecas ungidas.

Jesus ficou arretado e derrubou os envelopes de campanhas que inescrupulosos davam ao povo. Sentou a borrachada no couro dos sem vergonha que barganhavam a Palavra de Deus, enquanto ele gritava: Salafrários, não façam da Igreja um Shopping Center”.

O comércio na igreja é realmente necessário?

Não, não é. Mas é bom lembrar que Jesus não condenou o comércio em si, mas sim a atitude dos vendedores que exploravam o povo, fazendo com que os adoradores abandonassem a Casa de Deus. 

Os mercadores agiam com usura, faltava a eles a justiça, ate a pobre viúva era explorada impiedosamente. E note que tudo isto com o apoio irrestrito dos sacerdotes.

Minha posição a respeito do comércio na igreja

Antes de prosseguirmos, vamos levantar algumas questões: O cristão vai a igreja adorar a Deus, lá ele cultua, louva e declara seu amor ao Altíssimo. Mas este mesmo cristão é um consumidor.

Então creio que nas dependências da igreja deva haver um local separado para o comércio, isto é, respeitando todas as normas e leis vigentes do comércio.

Toda atividade comercial visa o lucro, mas esta facilidade deve contribuir para o bem estar dos membros e nunca para explorá-los. O lucro advindo desta atividade comercial deve ser revertido em melhorias na igreja ou em socorro e assistência social, isto no campo periférico, por que se olharmos adiante, uma obra missionária pode perfeitamente bem ser sustentada através do comércio na igreja.

E aquela igreja que faz bazar, pode?

Ta vendo só como a coisa é complicada? É super comum que igrejas de periferia tenham dificuldades para pagar o aluguel, fazer investimentos. É um ventilador que é necessário, uma guitarra nova ou a aquisição de um veiculo próprio…

Então o pastor tem a brilhante idéia de fazer um bazar. Então solicita aos abençoados irmãos que tragam roupas e calcados para serem vendidos no bazar.

Nem vou dizer que tem irmão que traz aquelas roupas que nem o seu cachorro quer, de tão velhas e bolorentas que estão, mas deixemos estas minudencias e sigamos adiante.

O comércio na igreja não sustenta a obra

O apostolo Pedro registra que homens movidos pela avareza, se utilizariam de negócios escusos e palavras fingidas, objetivando única e exclusivamente o lucro advindo dos fiéis. 2 Pedro 2. 3.

O que sustenta a obra de Deus são os dízimos e ofertas (Ml 3. 10; Ex 35. 5,21,29). O apostolo Paulo afirma que cada um contribua segundo propôs no coração, com alegria. 2 Co 9. 7

Temas Relacionado:

Finalizando, volto a reiterar, o comércio na igreja deve ser realizado fora do salão principal, o local de adoração, isto no caso de igrejas com múltiplos ambientes. Quanto ás igrejas de periferia que por circunstâncias muitas vezes é um único salão, deve ser utilizado o bom senso.

É super desagradável entrar numa igreja e ver um amontoado de roupas e sapatos ali, a atravancar a entrada das pessoas, trazendo um aspecto desagradável ao ambiente. O local de adoração a Deus deve ser única e exclusivamente para este fim.

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

ação de Deus
As quatro linhas da ação de Deus

Fechar