Vida Crista

Qual o significado da salvação (soteriologia)

Salvação significa efetuar com sucesso a plena libertação de alguém ou de alguma coisa, de perigo iminente. O termo carrega um peso duplo. Salvação significa que alguém precisa ser salvo. O motivo principal da necessidade do homem ser salvo é o seu pecado. No livro eletrônico sobre Salvação do irmão Hélio de Menezes Silva, de 2002, do site SolaScriptura, ele nos dá sete motivos como causa da perdição do homem:

1 – O homem está desesperadamente doente. Is 1. 6; Mt 9. 12 2 – O homem está debaixo de acusação. Rm 3.10-19 3 – O homem está perdido porque rejeitou a revelação bíblica. Rm 1.19-20 4 – O homem está perdido por desobedecer a sua própria consciência. Rm 2.14-16 5 – O homem está perdido por causa da sua identificação com o mundo. Ef 2. 2

6 – O homem está perdido por causa da sua identificação com Satanás. 2 Co 4. 4 7 – O homem está perdido por causa da sua identificação contra Deus. Jo 3. 36; Ef 2.12

Todos esses são motivos bons e válidos, mas a Bíblia é muito clara a respeito disso, dizendo qual é na verdade o ministério terreno de Cristo e o problema do ser – humano: “Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados”. Mt 1. 21

O estudo de Romanos capitulo seis nos mostra que o problema do pecado é duplo, pois existem dois tipos de pecados: nas palavras de Paulo existe O Pecado, ou seja, o pecado como lei, ou herança dos nossos primeiros pais: Adão e Eva.

A Lei da Graça suplantou essa antiga lei, a Lei do Pecado. Na Cruz de Cristo o pecado do homem foi justificado no sacrifício eterno e eficaz de Cristo.

Veja bem, que o pecado resolvido é a lei do Pecado que nos fazia pecar. Existe um outro tipo de pecado, que a Bíblia descreve como “os nossos pecados”, a nossa vontade de pecar, o nosso vicio de pecar, o pecado que eu cometo. A solução do pecado individual, que é o pecado que a pessoa comete tem duas maneiras que precisam andar juntas.

O segredo para não pecar

salvação

Romanos capitulo oito nos mostra que o homem precisa estar cheio do Espírito Santo para não pecar. E Pedro diz: “Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma” (1 Pe 2.11).

O segredo para não pecar é duplo: precisamos estar cheios do Espírito Santo e precisamos nos abster, quer dizer, precisamos não praticar o pecado. Para não praticar o pecado, preciso estar cheio do Espírito Santo, senão eu não consigo me abster. 

Preciso estar cheio do Espírito para não pecar, mas preciso entender que eu tenho que resistir ao pecado. O segredo de não pecar, é não pecar.Clique para Twittar

A Salvação implica a intervenção de um salvador. Esse salvador precisa necessariamente ter a capacidade e a vontade de salvar. Vamos analisar a cada uma destas particularidades:

1- A capacidade do salvador de salvação

É possível alguém ter o desejo, mas não a capacidade para salvar outra pessoa. Alguém pode ver outro se afogando, mas por não saber nadar, nem pode tentar salvar o outro.

Um piloto de avião pode desmaiar em pleno vôo, com um avião carregado com mais de quatrocentas pessoas, e alguém gostaria de salvar a todos e se salvar, mas ninguém sabe pilotar o avião, a não ser o piloto que desmaiou.

São muitas as situações em que diariamente no mundo inteiro, muitas pessoas gostariam de salvar outras, mas são impedidas por suas próprias limitações. O pecado é o problema numero um do ser – humano.

A problemática ocorre porque alguém deveria resolver o problema da Lei do Pecado e alguém deveria resolver o problema dos pecados individuais.

Na verdade essa é uma obra sobre-humana e só Deus poderia realizá-la. O Sistema Sacrificial já nos acenava que Alguém deveria se sacrificar e ser o sacrifício ao mesmo tempo. O sacrifício teria que ser imaculado, sem pecado algum, senão não seria aceito.

Só em Jesus vemos Alguém sem pecado. Cristo tinha as qualificações santas em ser o sacrifício, mas ele queria ser sacrificado? Cristo queria morrer por outrem e talvez, pela humanidade?

2- A vontade do salvador de salvar

O Salvador teria que ter, obrigatoriamente, a resolução pessoal, de salvar, ninguém poderia obrigá-lo, ele deveria querer assim o fazer. Um dos versículos de que mais gosto da Bíblia e que é totalmente mal interpretado é I João 3. 16. “Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos”

Interpretamos esse texto como se Cristo deu a sua “morte” por nós e nós devemos “morrer” por nossos irmãos. Mas é isso mesmo que está escrito? Antes está escrito que Cristo deu a sua vida por nós e nós devemos dar a nossa vida pelos irmãos. Morrer por alguém que amamos é razoavelmente fácil, em comparação a dar a sua vida por alguém.

Dar a vida por alguém é estar perto, conversar, compartilhar, ser confidente, saber do outro. Dar a vida pelo filho é andar com ele, acompanhá-lo na jornada do crescimento.  Dar a vida pela esposa é viver a vida com ela. É acompanhar a vida, o viver, o continuar a andar junto.Dar a vida é diferente de morrer. Aliás, é muito diferente.

Temas Relacionado:

A vontade do Salvador Jesus, em salvar o ser – humano sempre foi tão grande, que na verdade ele nasceu para a dar a sua vida por nós. Morrer a morte do sacrifício era uma morte provisória, para que algo glorioso ocorresse: Cristo viveria agora, pós-a-Cruz, perpetuamente por nós, por todo aquele que com Ele quiser viver.

Cristo deu a sua vida por nós e nós devemos dar a nossa vida para os nossos, aos quais amamos. Você já deu um beijo em quem você ama, hoje? Você já deixou claro, hoje, que ama os que você ama?

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Leia mais:
chamado de deus
O chamado de Deus (a experiência do profeta Isaías)

Fechar