Estudo Bíblico

O casamento de Oséias (o amor como símbolo de expiação)

oséias

O drama do casamento do profeta Oséias é bem conhecido. Casamento e família eram considerados entre os mais altos valores da cultura. O profeta se casou com uma mulher de Israel. Embora exista um debate sobre se esta mulher era promíscua ou não, o início do casamento de Oséias é louvável. Ele foi ordenado pelo Senhor a fazê-lo.

O relato bíblico diz especificamente que ela lhe deu um filho. “Ele foi e tomou Gomer, e ela concebeu e deu à luz um filho” (Os 1. 3). Ó dia feliz!

Posteriormente, o quadro muda, Gomer concebe e tem outros dois filhos e visivelmente não diz que Oséias é o pai. Na verdade o nome de seus filhos implica bem. O nome do segundo filho foi “Lo Ruama”. Isso, em suma, é uma negação da paternidade de Oséias.

Esta criança não receberá a compaixão ou piedade paternal que um pai demonstra a um filho (Sl 103. 13; 10. 12). “Sobre seus filhos (de Gomer) não vou mostrar nenhuma piedade”

O nome do terceiro filho é “Não Meu Povo”. É explícito. Oséias diz que ele não é seu. Finalmente, Oséias 2. 4-5 se refere a eles como filhos de prostituição, cuja mãe interpretou a prostituta e agiu vergonhosamente”.

Tudo isso era usar o casamento de Oséias como uma caricatura da infidelidade de Israel a Deus. Interessante é que, tanto quanto sabemos, somente no Antigo Testamento, no mundo antigo é que a relação entre as pessoas e Deus é retratada como uma aliança de casamento.

A clareza dos julgamentos contra Gomer

A caricatura ou alegoria fica clara quando os julgamentos contra Gomer são descritos em termos de desastres nacionais. “Eu vou colocar um fim a todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas, os seus sábados, e todas as suas solenidades. E farei desperdiçar a sua vide e a sua figueira.” dificilmente descreve o julgamento de um indivíduo (Os 2. 11-12).

O tratamento da adúltera Gomer e adúltera Israel são intercaladas e mescladas. Como Oséias trata sua esposa rebelde é a forma como Deus irá tratar Israel.

É desta maneira que podemos ver o efeito de Deus a frente da expiação. Deus chama Israel ao arrependimento através da defesa de seus filhos (Os 2. 2).

Enquanto não há uma menção explícita de expiação em Oséias, a chamada para o perdão pressupõe expiação e expiação pressupõe amor (João 3. 16). Não há pedido de perdão, onde não há expiação; expiação é o lugar onde a misericórdia e o amor se beijam. Sl 85. 10

Oséias, o ato de amor de Deus na expiação

O amor de Oséias por Gomer aponta para o ato de amor de Deus na expiação. O amor é a motivação para uma expiação que compele o amor para perseguir e chamar de volta os adúlteros. O amor é convincente e obstinadamente persegue o amado para o seu próprio bem.

Apesar da infidelidade de Gomer, Oséias não deixa de amar a sua esposa e ele se resigna a não deixá-la ir. Ele chama sua amada para voltar para ele. Porque Deus nunca para de amar Israel e não vai deixá-lo ir para quem Ele providenciou expiação.

Apesar de existirem várias maneiras em sua sabedoria que o Senhor nas Escrituras lida com esse enigma, Oseias mostra-nos uma dessas maneiras. 

Dessa forma, é ilustrado novamente por um outro comando para o profeta em Os 3:1-2. “E o SENHOR me disse: Vai outra vez, ama uma mulher, amada de seu amigo, contudo adúltera, como o SENHOR ama os filhos de Israel, embora eles olhem para outros deuses, e amem os bolos de uvas.

E comprei-a para mim por quinze peças de prata, e um ômer, e meio ômer de cevada; E ele lhe disse: Tu ficarás comigo muitos dias; não te prostituirás, nem serás de outro homem; assim também eu esperarei por ti.”

Para entender o que Deus está comandando Oséias a fazer é reconhecer que uma tradução possível preferida da cláusula acima não é exata: “Então, eu comprei ela por quinze siclos”, mas sim “eu lhe proporcionei quinze siclos ” Esta tradução combina melhor com o que precede e o que se segue.

Oséias fornece provisões para sua mulher promíscua para que ela possa viver e ficar com ele por um longo tempo. Seu confinamento significa que ela não pode ser infiel a Oséias.

A reclusão como simbolo de exclusividade

O profeta a manterá reclusa. É importante notar que o isolamento da esposa de Oséias é para si mesmo, como antes (Os 1. 2), é “mostrar o amor”O profeta, devido ao seu amor incansável e paciente, segrega sua esposa da luxúria para seu próprio bem.

Um tempo de reclusão foi destinado para ela renovar o relacionamento que Oséias tinha por ela desde o início.”

A ação de Oséias no capitulo 3 elucida o capítulo anterior. O comando a Oséias para confinar e conter sua esposa alude aos dois “portanto”. A primeira é, portanto, em Oséias 02. 06. Por isso eu vou proteger ela com os espinhos.”

O verbo incorpora a ideia de cercar e isolar para o seu próprio bem. Em Jó 1. 10 Satanás se dirigiu ao Senhor a respeito do trabalho. Satanás disse: “Você não fez uma cobertura (mesmo verbo) sobre ele e sua casa e tudo o que ele tem por todos os lados?” Satanás disse que Deus havia vedado trabalho e é por isso que Jó era tão abençoado.

O Deus de Israel, como Oséias como sua esposa, vai cercar Israel dentro do seu cuidado por causa do Seu amor infinito e constante .Ele chama Israel para retornar de seu adultério (isto é idolatria) para o perdão. O amor não desiste facilmente. 

Em Os 02. 06 e após mostra que o amor do Senhor não é apenas implacável, é corretivo. Se Israel retorna, Deus não vai envergonhar publicamente ele (2. 3,10). Mas, em sua compaixão Ele irá restringir sua esposa, uma personificação de Israel.

Ele vai murar e cercar Israel. Ele vai impedi-la de se afastar em pastagens estrangeiras que irão colocá-la em perigo. Propenso a vagar, Senhor, eu sinto isso, propenso a deixar o Deus que eu amo. Aqui está o meu coração… Ó toma e selá-lo Sele-o nos teus tribunais acima” Tudo isso é para que ela virá para ele e dizer: “Eu vou voltar para o meu primeiro marido que era melhor para mim, então do que agora.” Os 2. 7

O amor redentor é firme e terno

O segundo, portanto, está em Oséias 2:14. Enquanto o amor redentor pode ser duro, pode também ser mais terno. Oséias 2. 14 é o lugar onde o Senhor reitera carinhosamente sua atenção a Israel:Portanto, eis que eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração.”

Aqui o Senhor prova sua noiva. Ele estende tentações magníficas. Seu amor obriga Deus a provar a sua graça. Onde antes Ele prometeu disciplina severa, agora oferece consolo e alívio. 

O Senhor compara o confinamento de Israel com o tempo do Êxodo e as andanças do deserto. Ele irá levar Israel para trás quando eles foram redimidos pelo sangue do cordeiro da Páscoa. Lá no deserto os acordos pronunciados antes são realidade.

O lugar deserto se tornará uma vinha (3, 14). Em vez de nenhuma compaixão por seus filhos, Ele mostrará compaixão (4, 23). No lugar de nenhuma colheita haverá trigo e vinho (9, 22). Em vez de vergonha, vai haver um canto (9,10, 15). Em vez de adultério e idolatria, haverá verdadeira adoração. 11. 16,17

Temas Relacionado:

No Vale de Acor, onde um criminoso e a família foram executados, ali será uma porta de esperança (15). Acima de tudo, Deus vai repetir Seus votos de casamento com sua noiva quando Ele a levar para longe do Egito. “E eu vou dizer para aqueles que não era meu povo: Tu és o meu povo E eles vão dizer: Tu és o meu Deus.” Lv 26. 12,13

É a bondade prevalecente de Deus que nos seduz ao arrependimento e é a bondade dominante de Deus que nos mantém lá.

Dr. Robert Vasholz, professor emérito do Old Testament at Covenant Theological Seminary

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Leia mais:
rejeição
O pastor e a rejeição ministerial (estudos para liderança)

Fechar